Dia 132, Receita 112 - Ano 2004

Hoje vou postar mais uma receita que faz parte daquelas atrasadas. Esta foi uma das mais chatas e mais nojentas que tive que preparar, foi o Torresmo Pururuca.
1-) ter que achar a pele da barriga do porco, foi díficil. 2-) encarar aquele monte de banha e colocar a mão para cortar, foi tenso. 3-) fritar esses pequenos pedaços e deixar o apartamento inteiro fedendo fritura, é estressante.
Enfim, consegui superar mais este desafio e completar mais uma receita.

Meu pai veio um final de semana para meu apartamento e como eu  fui uma vez no açougue e quis comprar a banha e me disseram que tem q ir assim que o açougue abrir, e como não tenho tempo de ir de manhã e a preguiça nos sabados de ter que acordar cedo me deixam louco, resolvi aproveitar que ele "acorda com as galinhas" e então abusar da boa vontade e pedi para ir no açougue bem cedo. Ele conseguiu comprar e trazer pra mim.

Comecei separando os pedaçoes em cima da pia, então fui cortando - com muito nojo - o restante de carne que tinha ficado, deixando assim só a pele. Mas este processo não foi nada fácil, afinal você tem que ter uma faca muito bem afiada, coisa que eu não tenho. Consegui separar alguns pedaços e então cortei retangulos pequenos e fiz cortes transversais no interior deles, pois isso facilitaria na hora do torresmo enrolar.
Em uma panela com muito óleo novo joguei os pedaços da pele e deixei fritar por uns 20 minutos. Retirei os pedaços de torresmos e coloquei em um pote de plástico. O óleo que estava na panela deixei por mais uns 10 minutos até secar toda a água que poderia estar presente. Joguei este óleo na mesma vasilha em que estavam os torresmos e deixei an geladeira por mais de três dias.
Para deixa-los pururucas foi só voltar os pedaços na panela junto com a metade da banha que neste momento já estava dura e branca, e deixar fritar por uns 5 minutos. Pronto, ele ficam bem pururucas e crocantes.

Resultado Final:

















Ainda prefiro comprar pronto. (Torresmo Pururuca)

7 comentários:

Sol Ribeiro disse...

Gabriel ta aí uma coisa que não faço nem que me paguem, odeio fazer isso. E olha que as poucas vezes que fiz foi em sitio, em lugar bem arejado, la pelos idos anos de minha juventude qdo meu pai matava porco. Em apartamento então nem pensar, vc foi corajoso.

14 julho, 2010
Ѽ Gяεg Cαstяø disse...

Coragem é pouco pro q vc fez.rsrsr
essa foi a mais dificil?Deve ter sido.

A gente sempre fala de mãe; mas pai tb é uma mão na roda hein Barão?!hehehehe

Vejo q vc é mto familia msmo; isso é ótimo. Pois poucos tem o aconchego de lar, msmo q de longe.

Abraços!
=D

14 julho, 2010
Selma Lobo disse...

Tô aqui me rachando de rir, desculpe, mas deve ter sido hilário, kkkkk.
Parabéns pela sua coragem!
Tomara que pelo menos tenha ficado gostoso,
abraço.

15 julho, 2010
Anônimo disse...

Debora F. :::

Só de ter lido já fiquei com muuuuuito nojo.
Isso é que é coragem, parabens e desejo do fundo do coração que vc não precise fazer isto novamente na vida!!!!

Que nojo!!! :C

PS: Depois desse nojo todo, vc ainda teve coragem de experimentar?????

15 julho, 2010
Katia Seixas disse...

Gabriel
Por incrivel que pareça fiz esta receita este final de semana,é mesmo nojento,só de olhar, mas fica bom não?
Dica.... Confio no açougue que costumo comprar... pedi para ele limpar e cortar para mim, pelo menos esta parte fica mais fácil.hehehe.
Não sei se farei de novo, sinto o cheiro de fritura até agora...

15 julho, 2010
larii disse...

haha só eu que não fiquei com nojo?

15 julho, 2010
Anônimo disse...

vc e uma bichone mesmo ne ´´ai que nojo ui``toma jeito de homen.

16 julho, 2010

Postar um comentário